30 de mai de 2009

Fragmento de carta a uma amiga

Mas as coisas passam. Essas fases complicadas se alternam com as fases legais. O problema é que os problemas às vezes batem feio na gente e a gente se deixar espancar por eles. É como estar tão perto da parede que não se enxerga o todo, só se vê o tijolo muito perto e suas imperfeições e irregularidades. Só quando a gente consegue se afastar é que se dá conta de que a parede é só um muro, e nem tão alto assim.
.............................................
Vê, você não está só. Nós nunca estamos sós. Nós, os que sentimos, os que sofremos, os que choramos com as nossas mazelas e as de outrem; os que pensamos, os que sonhamos mundos melhores ainda que sempre no plano da esperança, nós nunca estamos sozinhos. Nós nos confortamos uns aos outros; nós tornamos a grande vida suportável; nós lambemos a tampinha metálica do iogurte; nós antegozamos o sabor do chocolate no fim do dia cansado; nós pintamos; nós escrevemos; nós ouvimos música; nós ouvimos o nosso silêncio mútuo em comunhão, porque assim são os amigos: aqueles diante de quem podemos ficar em silêncio com a certeza de que jamais estamos sozinhos.

2 comentários:

  1. O melhor de trocarmos nossas mazelas
    é saber que mesmo assim temos uns aos outros.
    beijos meu amigo.

    ResponderExcluir
  2. Acho que aquele outro depoimento não ficou bom ...

    não quis dizer trocar, mas sim compartilhar mazelas, pois se já é dicífil compartilhar, que dirá trocar...

    ResponderExcluir